Terra Chá

Calmantes Naturais, Sopas para Emagrecer, Depurativos do Sangue, Alimentos Diuréticos e muito mais

Alecrim

6 agosto, 2008 | 2 Comentários

Rosmarinus officinalis, L. sin.
Família das Lamiáceas (Labiatas)

Nomes Vulgares: Alecrim-da-terra, alecrinzeiro, alicrizeiro, alecrim-de-jardim, alecrim-da-horta, alecrim-rosmaninho, alecrim-do-sul, erva-coroada, flor-do-olimpo.
Habitat e Distribuição
Arbusto vivaz do litoral mediterrânico, em terrenos secos e pobres, principalmente calcários. Encontra-se em charnecas e pinhais do Centro e Sul a Europa. É muito cultivado.

Partes Utilizadas
Folhas e óleo essencial.

Farmacologia e Atividade Biológica
Em animais tem sido verificada a atividade colerética, colagoga, antiespasmódica e hepatoprotetora, atribuída aos flavonóides e outros constituintes polifenólicos. Os compostos amargos estimulam as secreções gástricas. O óleo essencial tem ação anti-séptica e, devido à cânfora, ação estimulante sobre a circulação e o sistema nervoso. Externamente, é ativador da circulação periférica e anti-inflamatório.

Usos etnomédicos e médicos
Como normalizador das perturbações digestivas ligeiras associadas a disfunções hepatobiliares, flatulência, anorexia.
Adstringente e diaforético, aumenta a sudação. Como tônico circulatório e hipertensor. Externamente, coadjuvante no tratamento de reumatismos musculares e articulares, como analgésico e anti-inflamatório nas mialgias, nevralgias, e inflamações osteoarticulares; no couro cabeludo como estimulante.

Principais indicações
Anorexia, digestões lentas e flatulência por disquinesia biliar. Em balneoterapia, como ativador circulatório e anti-reumatismal.

Usos aprovados
Doenças dispépticas. Externamente no reumatismo e problemas circulatórios.

Contra-Indicações
Não usar o óleo essencial por via interna durante a gravidez, aleitação, nem em crianças com idade inferior a seis anos, ou em doentes com gastrite, duodenite, úlcera péptica, síndrome do cólon irritável, doenças inflamatórias intestinais, ou com doenças neurológicas acompanhadas de tremores ou convulsões.

Efeitos secundários e toxidade
Não usar o óleo essencial puro, por via interna, pois pode produzir cefaléias, convulsões, espasmos, gastrenterites, lesão renal. Pode ser abortivo em doses elevadas. Topicamente, o óleo essencial produz rubefação dérmica, devendo evitar-se a aplicação sobre as mucosas e em zonas cutâneas desprotegidas.

Formas de Administração e posologia

Uso interno
Dose média diária, 4 a 6g de fármaco.
- Infusão (10 min.): ½ a 1 colher de chá (2g) por xícara, 2 a 3 vezes por dia.
- Extrato fluido (1:1) em etanol a 45°: 20 a 30 gotas, 1 a 3 vezes por dia..
- Óleo essencial: 1 a 2 gotas, 1 a 3 vezes por dia, sobre 1 torrão (1 colhe de chá) de açúcar, ou em cápsulas a 50mg, 2 ou 3 por dia.
- Extrato seco (5:1): 0,3g por cápsula, 1 a 3 por dia.

Uso externo
- Cozimento: 30 a 40g/l.
- Óleo essencial: diluído a 3%, em solução alcoólica ou oleosa, em fricções.



Comentários

2 Comentários para “Alecrim”

  1. Pedro
    18/f/2009 @ 21:48

    Gostaria de saber se pessoas hipertensas q usam medicação, podem fazer uso do chá de alecrim?

    Grato,

    Pedro

  2. Maria Luiza
    30/f/2010 @ 12:31

    Pessoas com hepatose hepatica não usa medicação pode fazer uso do chá de alecrim

    Grata

    Maria Luiza